8 de out de 2015

No name



A primeira pessoa predomina. Nas escritas. Evitar. Esquecer. Complicar.
Dia de hoje, todas as cores, muitas imagens, de tudo um pouco e... ARTE! Cansaço, então!
Porque eu sempre sei que meus pronomes e verbos são por mim demasiadamente utilizados e quero mostrar sempre que minha mente está assim somente tentando iluminar meu lado.

27 de mai de 2015

Segurança

Se eu dissesse que estou quase a deixá-la entrar?
Por onde a vejo me incomodo, receio e temo
Uns medos são saudades do que há de lhe faltar
Talvez nela, uma resposta, mas vem o remorso!

Sozinhos, estarão os meus a chorar, a faltar o ar?
Esquecidos, os textos velhos sujarão teu espaço?
Quietos após alguns dias, a mim frio supremo?

Pelas ondas, pelo silêncio.
Idiossincrasia ignota, Freud no meu alento?
Por quem ou o quê eu aguento?

26 de abr de 2015

Uma utopia entre tantos outros gritos

Há tempos tenho resistido às ideias que me vêm à mente e querem sair com palavras...
Imagine um mundo diferente, com todas as referências "Orwellianas" e "Huxleylianas" com uma máquina do tempo secreta e mulheres pré-programadas para não gerarem filhos.
Crianças-máquinas, o homem sendo instinto. À caça, animais! Muitos apocalipses imaginados, muitos efeitos especiais e tecnologia.
Nada comparado à revolução que acontece aqui dentro.

Um dia de diário louco.
Sábado, abril, 2015.