27 de jul de 2011

Ócio matinal

Barulhos na manhã me tiraram a calma

No vento ela volta devagar como nuvem

No silêncio de vozes eloquentes a alma,

As letras escritas lidas na tela não suprem,

Mas certa felicidade colorida embalam

Não tirei a foto

25 de jul de 2011

Sonhos nas caixas

Se acordar e ver que o sol nasceu,
Perceba que a realidade veio seca
Na noite funda em que sonho era
Viveu como chuva, abrindo portas
Com a força dos ventos e ilusões.
As caixas, os presentes, os vícios
Dissipados com a luz que atravessa
Concerto de sons tão ininteligíveis
São várias as chaves, qual a certa?


Nem há tempo atravessando a rua
Velhas páginas escritas estão cruas
Antes o que era só pretexto, pó.

Os velhos sonhos estão nas caixas.
Imagem captada arbitrariamente

18 de jul de 2011

Raiva imbele

Santa Segunda, e dizem "graças a Deus"!
O que salta da minha boca é xerostomia
O domingo rolou para debaixo do sol...
Refletido o rosto pálido, mínimos meatos
A raiva, o vento e a fumaça, depressão.
No panorama se vê a insanável angústia
_Espere a chuva, apague a vela.
Continue sob o sol, aceite a insanidade.


Imagem do Google

10 de jul de 2011

Wish you were here (Pink Floyd)/ Uma das letras mais inspiradoras e atordoantes ...

So,

So you think you can tell
Heaven from Hell,
Blue skies from pain
Can you tell a green field
From a cold steel rail?
A smile from a veil?
Do you think you can tell?

Did they get you to trade
Your heroes for ghosts?
Hot ashes for trees?
Hot air for a cool breeze?
Cold comfort for change?
Did you exchange
A walk on part in the war
For a lead role in a cage?

How I wish, how I wish you were here
We're just two lost souls
Swimming in a fish bowl,
Year after year,
Running over the same old ground.
What have we found?

The same old fears

Wish you were here


(Sorry, but I stole this picture.)
                                     

8 de jul de 2011

Notas rápidas

Matéria bruta para poesia,

Os sentimentos e a ideologia

A granada e a valentia

Velhos tormentos e alegrias.


5 de jul de 2011

Livre dança

Que dança é essa? Imagine só
O homem e sua amada mulher
E os truques que o fazem cair

Entre rodopios e beijos, voltas
Que ritmo doce encanta a bela
Nos passos ensaiados o sonho

O amor os envolve nesta dança
Enquanto a música sorrir e soar
Os corpos brilharão no salão.


3 de jul de 2011

Na noite fria , fog real e imaginário...

 http://photography.nationalgeographic.com/photography/photo-tips/city-photos/
Na reta convidativa eu vinha numa velocidade de pelo menos 100km/h. O vento frio entrava pelas frestas e meu rosto congelado não se movia. Quantas doses? Nem sei.
Na mente quase vazia, o caminho era automático. Gin, água tônica, gelados, mentolados
Só me lembro da sensação fugaz de medo, e o som dos ossos de minhas pernas se quebrando, o despedaçamento crucial daquele pedaço de corpo.
Fui muito longe. Talvez não houvesse dor, enquanto voava encontrando o asfalto, a luz da lua que eu não vi sublinhava minhas memórias.
Acordei com um medo, que cresceu instantaneamente, eu estava morto. O pior, eu estava consciente.