19 de mar de 2012

Irrite-se novamente

As mensagens andam irritantes para os receptores
Aquelas minhas palavas tão brancas, não brandas
Antes já revestidas de ódio, um dia desabafos e...
Como todas no seu ego enigmático, revoltos ãos
Para que não...ah
Mudei de ideia, seja sim!
Irrite-se, abrace as palavras que não te tocavam.
Minhas referências continuam incompletas, ou não.
Insípidos ou instigantes, insinuantes, em mim:
Inspiradores textos de uma única leitura.

9 de mar de 2012

Pround

Sim, sou eu.
Bacharel.
Eu posso traduzir, interpretar... nossa, que sonho seria na prática.
Traduzir os enunciados enigmáticos, com interpretações simultâneas de conversas desconexas.
Habilitaram-me para além da sala de aula, peço ao universo, habilite-me para a vida!

4 de mar de 2012

As minhas linhas d´escritas...

   Existe um limite que torna impossível transpor os pensamentos em palavras.
    Mesmo com todo o exercício, habilidade, aptidão, também a ilusão, os obstáculos invisíveis tomam proporções limitadoras.
     Quero escrever um livro, as histórias floreiam a mente, mas pintam borrões cinzas na realidade. A criança lá dentro quer a alegria dos filmes fantáticos, a pensadora uma análise crua dos pensamentos céticos.
     Não lembro de ter sido sincera com as palavras nesse espaço imensamente virtual, ninguém lê-me através dessa fronteira.
     Sou cética em mim, na minha essência, sobre minha paciência, capacidade e ciência.
    De versos à parágrafos inconsistentes e desconexos, maneiras irremediáveis.
      Redatando pobremente, a língua de Camões, que me derruba ou tonteia, inerte no topo na árvore, à beira do abismo.
John Pitre - Identity