21 de set de 2009

Notas fúnebres

Num dia qualquer que acabaria em chuva
Dançava o tempo e brincava o destino
Soava o badalar duma hora triste e surreal
As lágrimas afogariam várias almas,
e noites vazias percorreriam anos afora...
Não há data para dissipação desse erro.

12 de set de 2009

Teatro da vida


Depois de liberar a loucura presa em cofres

Suar o líquido das impurezas da sôfrega luz

Caminhar solta e revelar o lado reprimido

Um vento encosta levemente na pele quente

As mãos dormentes são sentidas, percebidas

Cada movimento dá lugar a uma descoberta

Uma força maior e impulsionante ri em nós

Pequena fração de tempo e ser quem não é

Não remonto o passado, crio novas vertentes

Sou pássaro saindo do ninho dos preconceitos

Sou fera se agarrando num deleite de carne

Um mutação instigante, um brilho nos olhos.

2 de set de 2009

Notas rápidas

Todo curso que desague em palavras é longo
No período que se concentra o percurso, pensamentos
Não sabemos se é certo confirmar isso hoje, mas temo
De tempos em tempos caio em contradições...