11 de abr de 2011

Only you...

Pode atirar a pedra que está no seu bolso. Estou aqui, plena Madalena, ciente daquele erro, mergulhada na ansiedade. Aqueles sempre repetidos enganos, já nem te mereço... Chore, grite e me mate. Não me deixe! Pise na grama verde, reconheça que sou seu chão. Beba no meu copo, verta meus segredos.

6 de abr de 2011

Nas últimas gotas



Dentro dos eventos, é desconserto


Busca pela verdade jogada, erros


Não há verdade maior, protesto


Visto que não somos perfeitos


Uma dor vem dentro do peito


A velha angústia dos poetas


No sonho sua ingratidão


Em minhas mãos o pó


Histórias inacabadas


Choro no silêncio


Impotente sou


Não se pede


Nem mede


Um amor.