27 de mai de 2015

Segurança

Se eu dissesse que estou quase a deixá-la entrar?
Por onde a vejo me incomodo, receio e temo
Uns medos são saudades do que há de lhe faltar
Talvez nela, uma resposta, mas vem o remorso!

Sozinhos, estarão os meus a chorar, a faltar o ar?
Esquecidos, os textos velhos sujarão teu espaço?
Quietos após alguns dias, a mim frio supremo?

Pelas ondas, pelo silêncio.
Idiossincrasia ignota, Freud no meu alento?
Por quem ou o quê eu aguento?

2 comentários: