7 de jun de 2014

A madrugada do espírito, uma linha reta UM ALVO!

A filosofia me ajuda a ver que no fundo dos olhos mais sinceros há mentiras que podem ser ditas...
Não há perdão para os pecados mais graves, assim como não há para os pequenos deslizes, escondo-te palavra turva com uma zeugma intencional!
Há o que desejamos sentir, intimamente negado, mas precisamos ocultar sob palavras mais brandas, sob insípidas alegorias.
As interpretações vêm de contextos pessoais, mas existem formas de se dizer sem ser explícito? Ledo engano.
Que o conjunto das verdades mais insanas seja um livro que eu escreva, que as mentiras mais dolorosas sejam parte apenas dos pesadelos.
"Que sejamos covardes em relação aos nossos atos! Que não os abandonemos uma vez consumados! - O remorso é indecente." Nas palavras de Nietzsche, guardadas as proporções, procuro a inspiração e a essência. Sem remorsos, vida limpa e não polêmica, dançar os desejos e saborear as pequenas doçuras...

Nenhum comentário:

Postar um comentário