15 de nov de 2016

Da nossa tecnologia


A moda atual é ter a verdade, dispensar opiniões e criticar as outras vontades
Recortam os enunciados, interpretam tudo errado e ainda querem mais
A morte e o riso tão perto, tudo muda apenas com o toque dos dedos
De amor e desejo só as palavras, os gestos escassos, tudo metades

Nada queima eternamente, hoje nem mais acende a chama
Todos se tocam sem se encostar, efêmero o beijo que não traz paz
Já não se tem os papéis, provas não são reais, plataformas virtuais!

Sonhos apagados com um comentário, lágrimas atrás da câmera
Então fazemos uma mea culpa? Sim, peço desculpas, sou mais uma...
Pobre Clarice, sob as fotos pintadas e alteradas recriam Macabéas

Dias e luas, que no passado descansam, desfazem a esperança fugaz
Discursos modernos, um som desonesto na rádio que anuncia
Uma música para a sua tristeza, amanhã tem show, olhe o cartaz!
Uma madrugada que termina ao som de motores e raia novo dia.

Rasgamos aqui no peito tudo que era verdadeiro, amor e respeito
Deletamos antigos romances, encanto, pranto, fingimos o perfeito

Teremos que ocultar o sincero desejo e só postar selfies banais ...

Nenhum comentário:

Postar um comentário