4 de nov de 2008

Paulo Leminski

NÃO TEM VAGA NEM LUGAR
Pra que me serve um negócio Que não cessa de bater? Mais me parece um relógio Que acaba de enlouquecer. Pra que é que eu quero quem chora, Se estou tão bem assim, E o vazio que vai lá fora Cai macio dentro de mim? A lua no cinema A lua foi ao cinema, passava um filme engraçado, a história de uma estrela que não tinha namorado. Não tinha porque era apenas uma estrela bem pequena, dessas que, quando apagam, ninguém vai dizer, que pena! Era uma estrela sozinha, ninguém olhava pra ela, e toda a luz que ela tinha cabia numa janela. A lua ficou tão triste com aquela história de amor que até hoje a lua insiste: - Amanheça, por favor!

2 comentários: