6 de nov de 2008

Sentimento tácito

Complicado,distorcido e incógnito, está em mim.
Surpresa que veio no sábado, sabor de ano novo.
O verde que se viu, transformou-se, hoje todas
as frutas já se tornaram sementes.
Sementes que prestes a doarem nova vida suplantam
minha inocência, já não tenho medo de escrever.
Um dia já tive.
Ouçam o que não sei dizer, leiam entre as linhas
do que se tornou história.
Procuro mudar a cor da palavra que servirá
de apoio para a transformação.
Não concluo nada, apenas vivo. Sou de alguém,
temos tempo ainda.
As músicas que embalaram meus sonhos, já não
emocionam mais, tenho novas velhas companhias.
Homenageio minha eternidade ao lado de quem
falou com meu coração, não desejando que a
paixão se perpetue, mas que este amor se
renove, vire filme...
Quando em frente aos mistérios, não gostar
de ter a brancura da sinceridade, mas a
cor ofuscante da realidade enfeitada.
Busco do outro lado do muro da ilusão
juvenil, digo que não seja arrepio, frio,
sim páginas escritas do âmago
que tornem a vida mais simples e os
sonhos mais ousados.

Um comentário: