20 de jan de 2009

Soneto feito em admiração à Du Bocage

A chuva me inspira a ter poemas
Quando ouço o barulho de gotas no chão
Inspiro-me a ter poemas, contradição
Como se as gotas caídas fossem letras.

O sol me espanta a poesia e a dança
O calor derrete os desejos de um jeito
Cuido não queimar a esperança
Junto os passos para a sombra, deito.

Lívido e pálido sabe pouco o meu amor
Não aprendeu a se adequar ao tempo
Adormeceu numa noite fria de temor

O frio que me fascina não faz mais...
Não conserta o brinquedo quebrado
Sinto mistérios de Machado, meus ais...

2 comentários:

  1. E se eu fosse comentar,
    Estragaria essa magia
    Que me lembra as ondas do mar
    Quando lhes bate a luz do dia...


    Lindo, lindo, lindo...
    Acho que vou ler isto para uma pessoa, se tu permitires...
    Volto mais vezes...

    ResponderExcluir
  2. my god, cris! adorei o soneto! "Como se as gotas caídas fossem letras." ficou lindo! principalmente os 2 quartetos. beijão

    ResponderExcluir