26 de abr de 2009

Não tente me entender, não hoje

Onde? Na rua?
Seria impossível encontrar-te na lua? Num voo sob o arco-iris, numa estrela?
Naquele copo vazio, com gotas ínfimas de liberdade mora a insanidade?
Já perguntei se seria simples como contar para alguém, mas não é.
Ninguém me responderia onde posso encontrar?
Uma vez por semana tenho que fazer a prece, olhar pro domingo e ver de novo.
Aquele mesmo ritual de cores acinzentadas, melhores ou piores momentos?
Não queira me entender agora, nem ontem muito menos amanhã!
Não sei onde estou vivendo e queria achá-lo, sombra negra.
Nenhum símbolo e onda brava do mar, nem conheço a brisa
Somos poeira, você é pedaço de estrela.

3 comentários:

  1. " Somos poeira, você é pedaço de estrela. "
    Adorei isso... na divisão máxima toda a matéria se torna a mesma coisa...
    E quanto ao show de interrogações, estas eu não tento entender, pois tenho minhas proprias perguntas.
    Beijão.

    ResponderExcluir
  2. Tomaz:
    Então, estas perguntas são por mim feitas a mim mesma todos os dias...
    Obrigada pelo comentário!

    ResponderExcluir
  3. Bonito, Cris. Tudo é possível, às vezes. beijo.

    ResponderExcluir