17 de mar de 2009

Amores platônicos


Antes eu tinha uma ideia que amor platônico era aquele não correspondido.
Não, ele só não é sabido pelo amado, é amor idealizado, distante do corpo e não da alma.
Todos os verbos utilizados podem ser descartados, valerão apenas os adjetivos...
Lindo, alvo, indubitavelmente abençoado.
Meus amores que julgo inalcançáveis, são na maioria das vezes imagens de impossível realidade.
A chance de um deles cair de pára-quedas na minha varanda, é de um, mais incontáveis zeros.
Como a possibilidade de atrai-los é infinita dentro da minha mente, infantil.
O dia de amanhã é o futuro próximo do nosso espaço, e nele sim existem infinitas possibilidades.
Não podemos negar, tranquiliza amar o impossível, ele acalma a falta de perspectiva e desperta a ludicidade da vida.
Podemos cultivar nossos amores platônicos, pois são combustíveis para nossas máquinas alternativas, e além disso se existe algo há mais que zero, existe chance!

3 comentários:

  1. "existe um coração em cheio num corpo"

    ResponderExcluir
  2. Olá!!!

    que lindo texto!...
    acho que todos ja tivemos um amor platônico, né?!...

    Ultimamente só tenho um:
    ( ou 2...depende! =D)
    Um é o Labrador da rua de baixo de casa...o cachorro mais lindo que eu ja vi na vida.

    E outro é Alanis Morissette

    hehehe

    beijos!!!!

    ResponderExcluir
  3. Poxa, esse tema merece sacrifícios
    tipo: solidão+bebidinha+madrugada+literatura

    acho que todo mundo sabe que ele é infinito
    portanto, vale muito a minha pena!!!!!

    ResponderExcluir